O sangramento nasal, também conhecido por epistaxe, é um problema relativamente comum durantes os períodos de baixa umidade. Devido ao ar seco, as mucosas nasais tornam-se mais suscetíveis a inflamação, e as pequenas veias do nariz se rompem facilmente, provocando os sangramentos.

Veja algumas informações importantes para ajudar a controlar os sangramentos nasais:

– Rinite é uma das principais causas de sangramentos nasais A rinite, doença provocada por infecções virais, como gripes, ou por processos alérgicos, inflama as vias nasais com grande possibilidade de sangramento. O tratamento da rinite é feito, conforme orientação médica, usando medicamentos anti-histamínicos (antialérgicos), descongestionantes nasais, corticoides, vacinas ou medicamentos específicos de uso prolongado para inibir o processo alérgico. “Tratar a rinite é um dos meios mais eficazes para prevenir os sangramentos nasais”, comenta o Dr. Oswaldo Laércio Cruz, otorrinolaringologista no Hospital Sírio-Libanês.

– Sangramentos são mais comuns em crianças e em adolescentes Segundo explica o Dr. Cruz, as crianças e os adolescentes são mais susceptíveis a sangramentos nasais porque nessa fase da vida a parte interna do nariz apresenta uma concentração maior de vasos sanguíneos, quando comparada à fase adulta e à terceira idade. “Manter as unhas bem cortadas diminui as chances de sangramentos, caso o nariz seja cutucado pela criança”, sugere o médico.

Outros grupos que também correm um risco maior de terem sangramentos nasais frequentemente são:

Pessoas que fazem uso de medicamentos que interferem na coagulação sanguínea, como aspirina e ácido acetilsalicílico (AAS).

Pessoas com doenças que podem ter sangramento nasal como um dos sintomas, como hemofilia, leucemia, linfomas, insuficiência hepática e insuficiência renal.

Usuários de cocaína ou crack, pois a droga pode machucar as vias aéreas.

– Evite deitar-se durante o sangramento nasal Quando os sangramentos nasais ocorrem, a primeira dica é ficar calmo é aplicar uma leve pressão na porção anterior do nariz (como se apertasse a ponta do nariz), pois é nessa região onde o sangramento frequentemente acontece, por 15 minutos. A pessoa deve respirar pela boca, enquanto durar a compressão, e sentar-se numa posição em que a cabeça fique mais alta do que o resto do corpo. Deitar não é indicado, pois pode fazer o sangue refluir em direção à faringe, levando a pessoa a engolir o líquido ou até aspirá-lo pelos pulmões, se o sangramento for muito volumoso.

– Sangramentos nasais repetitivos e intensos merecem avaliação médica Se ocorrer um sangramento com maior intensidade e que não cesse com as manobras relatadas no item acima, a pessoa deve procurar um serviço de pronto atendimento e avisar seu médico. Ele irá ajudar a identificar a causa do problema, podendo ainda descartar doenças raras, como tumores intranasais e problemas de coagulação.

– Alguns sangramentos nasais podem exigir tratamento de cauterização Em alguns casos, quando o sangramento nasal é mais intenso e não cessa rapidamente, o médico pode utilizar a cauterização. Trata-se de um procedimento que “queima” as veias que estão sangrando, interrompendo a hemorragia. A cauterização pode ser feita com produtos químicos específicos, como ácido tricloroacético ou nitrato de prata embebido em algodão ou com equipamentos elétricos. Às vezes pode ser necessário o tamponamento (obstrução) nasal com espuma sintética e, eventualmente, intervenção cirúrgica endoscópica do nariz para revisão e controle do sangramento.

Fonte: Dr. Oswaldo Laércio Cruz, otorrinolaringologista no Hospital Sírio-Libanês.
Originalmente publicado em Hospital Sírio-Libanês

Voltar