A criação de hortas caseiras é uma tradição milenar presente em diversas regiões do mundo até hoje. Além de ser a forma de sustento de muitas famílias, principalmente nas pequenas cidades, elas também trazem benefícios para a saúde, as relações pessoais e até para o orçamento no final do mês.

Segundo o dr. João Merheb, nutrólogo do Hospital São Lucas Copacabana, cultivar uma horta caseira pode mudar a vida de uma família – começando pela alimentação. Ao plantar e colher os próprios legumes, verduras e frutas sem o uso de agrotóxicos, tem-se a certeza de que o alimento a ser consumido é uma versão mais saudável e fresca se comparada com o item encontrado no mercado.

“Uma alimentação com menos substâncias danosas à saúde fortalece o organismo e previne diversas doenças provenientes da má alimentação, como o diabetes e a hipertensão arterial”, afirma o nutrólogo.

Acompanhar o desenvolvimento de uma horta caseira e as possibilidades de alimentação que ela fornece também ajuda a estreitar os laços com a própria comida. Esse benefício é importante sobretudo para as crianças, que crescem sabendo como a natureza funciona e a força que cada alimento dá para as pessoas. Já os pais sentem a diferença também no bolso: como comprar sementes e mudas não costuma ser caro, eles podem cultivar o próprio alimento e não depender mais do mercado, onde geralmente o preço é mais elevado.

“Como se não tivesse benefícios o bastante, cuidar de uma horta também ajuda a relaxar e pode se tornar um verdadeiro hobby, com o passar do tempo. Muitas pessoas consideram a jardinagem uma das melhores atividades para passar o tempo e aliviar as tensões do dia a dia”, explica o dr. Merheb.

Segundo o especialista, quem quer começar uma horta pode apostar em alimentos que não demoram muito para se desenvolver, como alface, abóbora, couve e espinafre, que podem levar até dois meses para ficarem prontos para a colheita.

 

Originalmente publicado em Hospital São Lucas Copacabana

Voltar